As mulheres estressadas de hoje

dona-de-casa

Outro dia descobri que um número assustador de amigas está tomando remédios para ansiedade, depressão, insônia, etc, etc.

Daí me dei conta de como temos muito mais pressão em nossa vida do que, por exemplo, quando minha mãe tinha 30 anos.

Continuar lendo

Anúncios

Não vivo sem bailar

Astrid Fonenelle disse uma vez, numa entrevista, que tem propensão genética para a alegria. Pois eu e uma irmã herdamos da família do meu pai uma propensão genética pra depressão, que nos obriga a estar sempre alertas.

Eu comecei a fazer balé moderno aos 9 anos, depois passei pro jazz, e só parei quando comecei a estagiar, lá pelos 19 anos. E digo que foi a dança que me permitiu crescer de uma maneira “normal”. Na dança eu dava vazão à minha emoção, que ficava reprimida o resto do tempo todo. Imagina como seria sem ela!

Continuar lendo